Pular para o conteúdo principal

Usufruto do imóvel: entenda o que é e como funciona

 


Você, com certeza, já ouviu falar em usufruto do imóvel e normalmente este é um assunto que ainda gera dúvidas.
Direito do morador, dos herdeiros, possibilidade de aluguel do local... Diversos questionamentos surgem. No texto de hoje, iremos esclarecer todos eles.

O que é usufruto?

O usufruto de imóvel é uma forma de repassar um patrimônio para alguém, seja parente ou não. Ele garante que aquele que cede a propriedade possa continuar utilizando-a até data marcada ou sua morte. Assim, o usufrutuário não pode ser despejado a menos que cláusulas do registro não sejam cumpridas. Assim, medidas judiciais podem ser tomadas para resolver a situação.
O nu-proprietário é a pessoa que passará a deter todos os direitos sobre a propriedade. Esses direitos podem ser definidos em cláusulas ou estarem descritos no testamento.  Essa última opção evita conflitos na hora do inventário.

Como fazer a doação com usufruto

Inicialmente, é necessário avaliar a possibilidade da doação. Para evitar que algum herdeiro seja prejudicado.
A doação de bens imóveis necessariamente precisa ser feita em cartório por escritura pública.
É necessário que o doador expresse a vontade de fazê-la com a utilização do usufruto. Então, o cartório irá lavrar a escritura pública e nela deverá ser fixada a cláusula de usufruto.
Posteriormente, para tornar a doação válida, ela deverá ser averbada na matrícula do imóvel.

Quais as cobranças para fazer uma doação com usufruto

– ITCMD: o imposto aplicável da doação com usufruto é o ITCMD, que pode variar entre 3% a 4% do valor do imóvel.

– Escritura pública: será necessário o pagamento dos lucros casuais para a lavratura da escritura pública de doação. Este valor também varia conforme o valor do imóvel e o estado no qual o processo será realizado.

– Averbação: para tornar válida a doação, é necessária a averbação da doação na matrícula do imóvel. Este valor também é variável.

Venda e aluguel do imóvel

Aquele que recebe a doação (nu-proprietário) ainda é dono parcial do imóvel, sendo assim não pode decidir se o imóvel será vendido ou alugado, essa decisão caberá ao usufrutuário (quem cede o imóvel em doação usufruto), e este é que receberá os valores em caso de locação ou venda. O nu-proprietário somente passa a ser totalmente proprietário do imóvel no caso do falecimento, passando assim a receber integralmente os valores de aluguel.

– Herdeiros diretos

A doação em si não pode ser contestada, pois configura um ato de vontade do doador, porém, essa doação não pode afetar os 50% que são direito dos herdeiros diretos. Ou seja: se houver a doação de um imóvel que era o único patrimônio de um usufrutuário, a um de seus parentes de forma integral não deixando nada para seus filhos, esta doação poderá ser contestada em juízo.

– Em caso de morte do nu-proprietário

Para os casos de falecimento do nu-proprietário, automaticamente os direitos passam para seus herdeiros diretos, que deverão respeitar as regras do usufruto, que estarão determinadas em cartório ou testamento.

– Em caso da morte do usufrutuário

Passa a valer imediatamente o que foi descrito em documento ou em testamento e assim o nu-proprietário passa a ser o proprietário de forma integral do imóvel, cabendo a ele decidir a melhor forma de utilizar o bem ou, se quiser, até mesmo vendê-lo.

– Restrições

Ao usufrutuário é permitido utilizar o imóvel, zelando e mantendo-o conservado, bem como mantendo todas as taxas e impostos em dia, caso ele não venha a cumprir com as obrigações do imóvel e ações virem a ser movidas por conta destas pendências, ela será de responsabilidade do usufrutuário e do nu-proprietário.

É importante reforçar que antes de indicar alguém como seu nu-proprietário você deve se informar, consultar especialistas e entender qual a melhor forma de realizar o processo. Apesar de o usufruto não ser irrevogável, se informando você terá menos chances de contratempos futuros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MJ Imóveis 34 anos: legado, credibilidade e inovação no mercado imobiliário

Tempo de leitura: 3,5 minutos Transformar sonhos em realidade, desde 1986 este é o principal objetivo da MJ Imóveis, colaborar para que os clientes encontrem o lar que procuram.  Atuando há 34 anos em Moema a imobiliária, um negócio familiar, já realizou o sonho de milhares de pessoas. Por meio de muito trabalho, conhecimento e constante evolução, a empresa consolidou sua marca no bairro e atualmente é reconhecida pela habilidade em conciliar um atendimento personalizado ao know-how estratégico do mercado imobiliário, seja na compra e venda, locação ou administração de imóveis. Ao longo desses anos, além de se consolidar no setor, a imobiliária conseguiu criar uma relação de solidez e confiança com seus clientes – muitos deles parceiros desde o início do negócio.  Para a sócia-fundadora Maria José Malandrino o principal diferencial da MJ Imóveis é o relacionamento com o cliente. “Sempre prezamos pelas necessidades que nos trazem e auxiliamos no que for necessário. Queremos que a experi

6 atributos que fazem de Moema o bairro ideal

Tempo de leitura: 2,5 minutos Restaurantes renomados, diversidade de estabelecimentos comerciais, lazer e qualidade de vida. Parece difícil imaginar que tudo isso seja característica de um mesmo bairro em São Paulo, mas Moema é versátil e consegue oferecer aos moradores e visitantes diversas opções com a sofisticação de um bairro nobre e o bem estar de cidade do interior. - Localização Situado no centro-sul de São Paulo, o bairro nobre tem localização privilegiada e fácil acesso, seja de carro, ônibus, metrô ou bicicleta. A linha 5 Lilás do Metrô, faz conexão com com outras linhas: 1 Azul e 2 Verde. A Avenida Ibirapuera conta com um amplo corredor de ônibus que, atende as mais diversas áreas da cidade.  - Lazer e cultura Um dos primeiros bairros planejados da cidade e com planejamento urbano bem estruturado, Moema tem as ruas arborizadas e uma ampla área verde. Está ao lado do Parque do Ibirapuera, um dos principais da cidade, que conta com a Bienal, a Oca, o Museu de Arte Moderna (MAM

Locador e locatário acertando as contas com o leão

O Imposto de Renda sobre aluguel é um tema que costuma gerar dúvidas e até erros na hora da declaração. É preciso ter muita atenção, pois a informação errada ou faltante pode causar sérios problemas, levando o contribuinte a cair na malha fina. Os aluguéis devem ser obrigatoriamente informados na Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (DIRPF) de ajuste anual com base no valor dos aluguéis recebidos, que são refletidos nos informes de rendimentos fornecidos pela imobiliária no contrato de locação. O locador que  recebeu aluguel mensal no limite da isenção do Imposto de Renda também deve declarar. Isso é necessário porque esses valores serão contabilizados na renda total para calcular o valor de uma possível restituição. O pagamento do tributo é de responsabilidade do locador, quando o locatário for pessoa física. É importante que você esteja atento. Já que este ano a regra do Imposto de Renda estabelece que apenas o valor líquido do aluguel será tributado. Despesas como IPTU (Impo