Pular para o conteúdo principal

Matrícula x Escritura do imóvel: Você sabe a diferença?

 


Eles são documentos diferentes, obrigatórios e devem ser providenciados logo após a compra do terreno, casa ou apartamento.

A escritura e a matrícula do imóvel são dois documentos referentes à compra de um bem e têm diferenças. Por isso, é de extrema importância não confundi-los para garantir a ausência de problemas futuros.

A escritura do imóvel é um documento público oficial que valida o acordo entre as partes e é elaborada no cartório de notas. Já a matrícula, é o documento que individualiza o imóvel.

A escritura é uma declaração pública que registra a transferência do bem, ou seja, é um documento fundamental para assegurar a compra de uma casa, de um apartamento ou terreno. O cartório de notas é o responsável por emitir e por validar as firmas dos signatários do acordo.

A matrícula torna pública não somente a existência do bem, mas também a quem ele pertence e em quais condições, com seu histórico. Ou seja, a matrícula detalha informações de duas naturezas: registro ou averbação.

Na parte de registro, constam informações essenciais para identificação jurídica, como as transações comerciais (compra e venda), valores, localização do imóvel, metragem do terreno, área construída, etc.

Já na parte classificada como averbação, constam as modificações, adequações, novas construções ou reformas estruturais que o imóvel venha a sofrer após seu registro.

Outras diferenças

Enquanto a escritura de imóvel abrange todos os detalhes das condições de compra – como o preço do bem, a data da entrega das chaves, quem são as partes envolvidas e qual será a forma de pagamento –, o registro da matrícula é o documento que assegura, publicamente, a nova titularidade do bem.

Fique atento: Caso ocorra alguma falha na elaboração da escritura do imóvel, o comprador não poderá registrá-lo em seu nome. Para não haver equívocos, as informações contidas na escritura pública devem coincidir com aquelas registradas junto à matrícula da unidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Locador e locatário acertando as contas com o leão

O Imposto de Renda sobre aluguel é um tema que costuma gerar dúvidas e até erros na hora da declaração. É preciso ter muita atenção, pois a informação errada ou faltante pode causar sérios problemas, levando o contribuinte a cair na malha fina. Os aluguéis devem ser obrigatoriamente informados na Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (DIRPF) de ajuste anual com base no valor dos aluguéis recebidos, que são refletidos nos informes de rendimentos fornecidos pela imobiliária no contrato de locação. O locador que  recebeu aluguel mensal no limite da isenção do Imposto de Renda também deve declarar. Isso é necessário porque esses valores serão contabilizados na renda total para calcular o valor de uma possível restituição. O pagamento do tributo é de responsabilidade do locador, quando o locatário for pessoa física. É importante que você esteja atento. Já que este ano a regra do Imposto de Renda estabelece que apenas o valor líquido do aluguel será tributado. Despesas como IPTU (Impo

IGP-M fecha o mês de Junho em queda

O IGP-M (Índice Geral de Preços Mercado), também conhecido como a inflação do aluguel, desacelerou e teve alta de 0,60% em Junho, segundo dados da FGV (Fundação Getúlio Vargas). Esta foi a menor alta desde maio de 2020, quando o IGP-M teve variação de 0,28%. Se compararmos a maio de 2021, quando o índice subiu 4,10%, a desaceleração fica mais evidente.   Em 12 meses o índice acumula variação de 35,75%, segundo a FGV a baixa era prevista e aconteceu devido à combinação da valorização do real e o recuo dos preços dos commodities (minério de ferro, milho e soja), que são negociados em dólar. Se o seu contrato sofre reajuste em julho, essa é uma boa notícia, já que a queda do IGP-M terá efeito nos contratos com vencimento neste mês. Como funciona um reajuste de aluguel? De acordo com a Lei do Inquilinato (Lei 8.245/91), é permitido reajustar o valor do aluguel uma vez por ano, tanto para imóveis residenciais, quanto para comerciais. Esta atualização do valor acontece como um m

Maior loja da LEGO na América Latina é inaugurada em Moema

  O bairro de Moema foi o escolhido pelo Grupo Mcassab, da LEGO, para dar sequência ao acelerado plano de expansão das lojas LEGO no Brasil. É nele que foi inaugurada recentemente a maior loja da marca da América Latina, que por sua vez também é a primeira unidade de rua autorizada no Brasil. A loja conta mix de itens exclusivos, a famosa modalidade para compra de peças avulsas escolhendo entre dois tamanhos de copos para encher e a opção de montagem de kit personalizado de Minifiguras onde os consumidores poderão escolher as cabeças, cabelos corpos e montar com os acessórios de sua preferência. “Nós estamos muito felizes em inaugurar a 13ª loja LEGO no Brasil, deixando a marca ainda mais perto do consumidor e desta vez com um formato inédito, a primeira loja LEGO de rua no Brasil, e por se tratar da maior da América Latina, o projeto demandou o mais alto nível de planejamento e execução. Cada detalhe foi calculado e implementado para oferecer a excelência e a mesma experiência encon