Pular para o conteúdo principal

8 dicas para deixar sua casa mais sustentável e econômica


O consumo sustentável e consciente estão, ao menos de certa forma, atrelados ao compromisso das pessoas com a adoção de uma política de sustentabilidade ambiental e financeira. Afinal, ambos os conceitos têm em comum a moderação, caracterizada por uma mudança de pensamentos e atitudes. 

Você pode ter que sair da sua zona de conforto por algum tempo até se adaptar a uma nova rotina. No entanto, os benefícios serão sentidos rapidamente.

Além de mudar comportamentos pessoais, ter uma casa sustentável envolve buscar alternativas mais econômicas, que minimizem o consumo de recursos não renováveis. Embora algumas dessas tecnologias e ferramentas sejam mais caras que as de uso comum, em médio e longo prazo, a economia que proporcionam compensa o investimento feito.

É fundamental ter atitudes e rotinas sustentáveis, pois isso interfere diretamente na qualidade de vida das futuras gerações. Portanto, é recomendável que você avalie no seu dia a dia, aquilo que é mais prejudicial ao meio ambiente e tome a decisão de mudar seu estilo de vida imediatamente. Já pensou, por exemplo, em optar por carros menos poluentes na hora de trocar de veículo?

Como tornar sua casa sustentável?

Há muitas pessoas que realmente desejam colaborar com a preservação do meio ambiente, mas nem todas sabem que caminho tomar. Para ajudar, seguem algumas dicas práticas e eficientes que vão facilitar esse processo e guiar você nos primeiros passos para adotar estratégias de consumo sustentável. Acompanhe!

Você é responsável pelo seu lixo

Existe uma lei que determinou o fim dos lixões no Brasil, mas apesar disso, o páis tem quase 3 mil lixões ou aterros irregulares que impactam a qualidade de vida de 77 milhões de brasileiros, segundo o levantamento inédito feito pela Abrelpe (Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública). Para contribuir para reduzir essa estatística, cuidando do seu lixo.

Todos os resíduos podem ter um fim que cause menos impacto ao planeta do que ser descartado num aterro sanitário. Sempre separe o lixo reciclável do orgânico. Se não houver coleta seletiva na sua região, descarte-o num local de coleta de lixo reciclado ou até mesmo leve-o numa cooperativa mais perto de você. Já o lixo orgânico pode se tornar adubo. Pilhas, por exemplo, podem ser descartadas em locais adequados que recebem este tipo de material.

Cuidado com a posição da geladeira e do freezer

A geladeira e o freezer devem ficar em posições estratégicas. Eles não devem estar próximos a fontes de calor, como fogão e forno ou de portas e janelas que permitam a incidência de luz solar. Esses fatores geram calor no eletrodoméstico, fazendo com que o termostato tenha que trabalhar mais para manter a temperatura ideal.

Leve frutas e alimentos em recipientes laváveis

Parece pouco, mas você pode evitar o uso de materiais como papel ou alumínio acondicionando frutas e outros alimentos em potes laváveis ou sacos plásticos resistentes que possam ser lavados e reutilizados depois.

Tenha sempre plantas em casa

As plantas além de adornarem a casa, são filtros energéticos segundo o Feng Shui e também melhoram a qualidade do ar. Escolha uma adequada ao seu lar e tenha sempre em casa.

Separe a cápsula de café para a reciclagem 

Nem todo mundo sabe, mas a maior parte das cápsulas de café são 100% recicláveis. O volume do consumo cresce cada vez mais, em 2015 foram vendidas mais de 7.000 toneladas delas.

Algumas marcas fabricantes disponibilizam pontos de coletas em suas lojas e outras, disponibilizam envio gratuito pelos Correios.

Você pode armazenar as cápsulas na geladeira em uma sacola ou refratário com tampa e levar a ponto de coleta.

Nunca deixe os aparelhos elétricos sem uso ligados na tomada

Essa é uma dica clássica, mas que vale relembrar!

O modo stand by é um vilão de gasto de energia que passa despercebido. Muitas vezes deixamos o roteador de Wi-Fi, a TV, filtro, micro-ondas e outros aparelhos eletrônicos ligados na tomada. Além de consumir energia, o modo stand by encurta a vida útil dos eletroeletrônicos. Algumas geladeiras contam com o modo férias para consumir menos energia.

Opte por embalagens reduzidas ou retornáveis

Quanto mais embalagens tem o produto, mais lixo é gerado, claro. Por isso, o ideal é optar por comprar produtos com menos embalagens. Por exemplo, se for comprar algo para a família, escolha as embalagens maiores: mais produto gerando menos descartes. E, quando for uma opção, as embalagens retornáveis são uma ótima escolha, sempre!

Mais um bom hábito a ser adquirido, é o de levar sua própria sacola de pano quando for fazer compras. Assim, você evita sacolas plásticas, que demoram 450 anos para serem decompostas.

Escolha alimentos orgânicos

O mercado de alimentos orgânicos é uma realidade crescente no Brasil. Cada vez mais acessíveis, os alimentos orgânicos são bons para todos: para a sua saúde, pois são mais naturais e sem veneno; Para a natureza, pois a produção orgânica proíbe o uso de agrotóxicos sintéticos, adubos químicos e sementes transgênicas no cultivo do alimento. 

Além disso, comprar orgânicos incentiva os produtores locais, o seu dinheiro vai direto para garantir o sustento de uma família.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS IMPACTOS DA PANDEMIA NO MERCADO IMOBILIÁRIO

Bem-vindo! Pensando em você, criamos este blog para que você possa acompanhar o mercado imobiliário nestes tempos de pandemia. Entendemos que somos detentores de informações importantes e que precisamos compartilhá-las com você. O primeiro conteúdo é um panorama geral sobre OS IMPACTOS DA PANDEMIA NO MERCADO IMOBILIÁRIO. Aproveite a leitura! Começaremos esta semana falando um pouco do cenário econômico X imobiliário antes e no início da pandemia. O setor de venda e locação de imóveis vinha desde 2019 em uma curva crescente   juntamente com a ascensão da economia brasileira. A liquidez das transações imobiliárias (quantidade de transações), assim como os preços de mercado subiam exponencialmente como há muito tempo não víamos. As pesquisas mostram que o mercado sofreu forte queda no mesmo momento em que a crise foi anunciada. Há uma diferença no impacto causado nos imóveis comerciais e residenciais. Imóveis comerciais estão sofrendo diretamente pela queda de v

MJ Imóveis 34 anos: legado, credibilidade e inovação no mercado imobiliário

Tempo de leitura: 3,5 minutos Transformar sonhos em realidade, desde 1986 este é o principal objetivo da MJ Imóveis, colaborar para que os clientes encontrem o lar que procuram.  Atuando há 34 anos em Moema a imobiliária, um negócio familiar, já realizou o sonho de milhares de pessoas. Por meio de muito trabalho, conhecimento e constante evolução, a empresa consolidou sua marca no bairro e atualmente é reconhecida pela habilidade em conciliar um atendimento personalizado ao know-how estratégico do mercado imobiliário, seja na compra e venda, locação ou administração de imóveis. Ao longo desses anos, além de se consolidar no setor, a imobiliária conseguiu criar uma relação de solidez e confiança com seus clientes – muitos deles parceiros desde o início do negócio.  Para a sócia-fundadora Maria José Malandrino o principal diferencial da MJ Imóveis é o relacionamento com o cliente. “Sempre prezamos pelas necessidades que nos trazem e auxiliamos no que for necessário. Queremos que a experi

A INFLUÊNCIA DO CORONA VÍRUS NO MERCADO IMOBILIÁRIO, 2ª ONDA

Com base em pesquisas do setor imobiliário, em informações do DataZap, elaboramos um post com informações fresquinhas. É uma 2ª onda que está trazendo respostas sobre o que o Corona Vírus mudou nas finanças pessoais, nas expectativas de gastos com moradia e nas novas demandas para os profissionais do mercado. É fundamental compartilhar com vocês que o cenário já melhorou desde o início da crise em nosso setor. O público aderiu e gostou das novas práticas tecnológicas, o que permitiu a retomada do fechamento de negócios. Em uma pesquisa feita pelo DataZap, 75% do público-alvo era da região Sudeste e dentre eles, 91% residentes da Capital, maioria mulheres entre 25 e 36 anos que demonstram alto interesse na locação de imóveis (53%), superando a iniciativa de compra (31%). O índice se mostra alto para ambos os casos, indicando boa taxa de segurança dos consumidores e uma inclinação a fecharem negócios. Um ponto importante a ressaltar é que 72% dos respondentes que demonstram