Pular para o conteúdo principal

As expectativas do mercado imobiliário para 2021


O mercado imobiliário iniciou 2020 com ótimas perspectivas. No ano anterior, 2019, o crescimento foi de 0,3%, segundo o IBGE, o que sinalizava o fim da recessão. A venda de imóveis poderia crescer em torno de 20% no ano, tendo em conta a reativação da demanda reprimida de 2014 a 2018.

No primeiro trimestre de 2020, mesmo com a pandemia decretada em 14 de março, a venda de apartamentos novos registrou elevação de 26,7% em relação ao mesmo período do ano anterior. No segundo trimestre, apesar do vírus, o crescimento foi de 10,5%, comparado com o mesmo mês de 2019, segundo a ABRAINC – Associação Brasileira de Incorporadores Imobiliários.

O mercado sofreu alterações expressivas com a pandemia do novo coronavírus. Para 2021 a expectativa é positiva, o motivo disso é a mudança de comportamento da população, que provavelmente impactará diretamente na maneira em como as pessoas vivem e em como escolhem o local do imóvel no qual irão morar.

Por isso, é esperado que a busca por imóveis maiores, mais amplos e com espaços diferenciados se mantenha, tanto para a compra como para locação. Os apartamentos continuam em alta, porém maior a procura é por opções com sacadas e varandas.

A perspectiva é que o crescimento previsto para 2020 seja visto ao longo deste ano. As construtoras e incorporadoras devem fazer novos lançamentos e o número de interessados tende a crescer. A tendência é que o cenário continue positivo nos anos seguintes, com avanços também em 2022 e 2023, quando o mercado imobiliário deverá atingir o mesmo patamar que estava em 2010. Isso contribui para o cenário positivo do mercado, já que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu, por unanimidade, manter a Selic (a taxa básica da economia) em 2% ao ano. Com isso, a taxa se manteve no piso da série histórica do Copom, iniciada em junho de 1996.

A mudança também deve ser refletida no mercado de ações. Os investidores de renda variável tendem a migrar para o setor da construção civil, na compra de imóveis pois os fundos mais tradicionais já não estão rendendo como anteriormente. 

Para quem deseja comprar imóvel, o primeiro trimestre de 2021 será um momento favorável, já que os financiamentos estão com a menor taxa de juros de todos os tempos.

Outra tendência deste setor, será a ampliação dos meios de tecnologia que dão suporte nas vendas, negociações e administração dos imóveis. Seja por websites ou aplicativos, a utilização destas ferramentas deve continuar crescendo e servindo como aliada do segmento em seus diversos tipos de negócios. Ao longo de 2020 o consumidor demonstrou mais interesse na busca por imóveis on-line, imobiliárias que já disponibilizam o catálogo oferecem um diferencial a mais para os clientes. 

O cenário de pandemia também serviu para demonstrar a resiliência do mercado imobiliário, que voltou a se reinventar, criou oportunidades em meio ao caos e, mais uma vez, mostrou a todos sua alta relevância para a economia do país. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS IMPACTOS DA PANDEMIA NO MERCADO IMOBILIÁRIO

Bem-vindo! Pensando em você, criamos este blog para que você possa acompanhar o mercado imobiliário nestes tempos de pandemia. Entendemos que somos detentores de informações importantes e que precisamos compartilhá-las com você. O primeiro conteúdo é um panorama geral sobre OS IMPACTOS DA PANDEMIA NO MERCADO IMOBILIÁRIO. Aproveite a leitura! Começaremos esta semana falando um pouco do cenário econômico X imobiliário antes e no início da pandemia. O setor de venda e locação de imóveis vinha desde 2019 em uma curva crescente   juntamente com a ascensão da economia brasileira. A liquidez das transações imobiliárias (quantidade de transações), assim como os preços de mercado subiam exponencialmente como há muito tempo não víamos. As pesquisas mostram que o mercado sofreu forte queda no mesmo momento em que a crise foi anunciada. Há uma diferença no impacto causado nos imóveis comerciais e residenciais. Imóveis comerciais estão sofrendo diretamente pela queda de v

MJ Imóveis 34 anos: legado, credibilidade e inovação no mercado imobiliário

Tempo de leitura: 3,5 minutos Transformar sonhos em realidade, desde 1986 este é o principal objetivo da MJ Imóveis, colaborar para que os clientes encontrem o lar que procuram.  Atuando há 34 anos em Moema a imobiliária, um negócio familiar, já realizou o sonho de milhares de pessoas. Por meio de muito trabalho, conhecimento e constante evolução, a empresa consolidou sua marca no bairro e atualmente é reconhecida pela habilidade em conciliar um atendimento personalizado ao know-how estratégico do mercado imobiliário, seja na compra e venda, locação ou administração de imóveis. Ao longo desses anos, além de se consolidar no setor, a imobiliária conseguiu criar uma relação de solidez e confiança com seus clientes – muitos deles parceiros desde o início do negócio.  Para a sócia-fundadora Maria José Malandrino o principal diferencial da MJ Imóveis é o relacionamento com o cliente. “Sempre prezamos pelas necessidades que nos trazem e auxiliamos no que for necessário. Queremos que a experi

A INFLUÊNCIA DO CORONA VÍRUS NO MERCADO IMOBILIÁRIO, 2ª ONDA

Com base em pesquisas do setor imobiliário, em informações do DataZap, elaboramos um post com informações fresquinhas. É uma 2ª onda que está trazendo respostas sobre o que o Corona Vírus mudou nas finanças pessoais, nas expectativas de gastos com moradia e nas novas demandas para os profissionais do mercado. É fundamental compartilhar com vocês que o cenário já melhorou desde o início da crise em nosso setor. O público aderiu e gostou das novas práticas tecnológicas, o que permitiu a retomada do fechamento de negócios. Em uma pesquisa feita pelo DataZap, 75% do público-alvo era da região Sudeste e dentre eles, 91% residentes da Capital, maioria mulheres entre 25 e 36 anos que demonstram alto interesse na locação de imóveis (53%), superando a iniciativa de compra (31%). O índice se mostra alto para ambos os casos, indicando boa taxa de segurança dos consumidores e uma inclinação a fecharem negócios. Um ponto importante a ressaltar é que 72% dos respondentes que demonstram