Pular para o conteúdo principal

Reajuste do aluguel: como funciona e qual a interferência do IGP-M?

 

Pixabay


Tempo de leitura: 2,5 minutos


Quem já está habituado a alugar imóvel sabe que anualmente ocorre o reajuste no valor do aluguel. 

Conforme a Lei do Inquilinato (Lei 8.245/91), é permitido reajustar o valor do aluguel uma vez por ano, tanto para imóveis residenciais, quanto para comerciais.

Esta atualização do valor acontece como um meio de evitar a desvalorização do imóvel e para prevenir que o proprietário tenha prejuízo com ganhos defasados em relação ao mercado e inflação.

Por outro lado, deixar que o processo aconteça individualmente (pela vontade de cada locador) aumentaria a probabilidade de cobranças abusivas, por isso a definição de um índice como parâmetro é tão importante. Portanto, é fundamental que todas as especificações sobre o reajuste estejam no contrato de locação. Este tema torna a busca por uma imobiliária séria, que saiba te orientar corretamente e que tenha conhecimento sobre todas as informações a respeito deste assunto ainda mais importante.

Como funciona um reajuste de aluguel?

O reajuste de aluguel ocorre em todo aniversário do contrato de locação. Na prática de mercado, esta variação de preço é baseada no Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M), que é divulgado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que considera principalmente a variação acumulada dos últimos 12 meses.

O que é o IGP-M?

O IGP-M é o índice mais utilizado neste tipo de cálculo, ele é formado pelo IPA-M (Índice de Preços por Atacado - Mercado), IPC-M (Índice de Preços ao Consumidor - Mercado) e INCC-M (Índice Nacional do Custo da Construção - Mercado), com pesos de 60%, 30% e 10%, respectivamente. A pesquisa de preços é feita entre o dia 21 do mês anterior até o dia 20 do mês atual.

Estes indicadores medem itens como bens de consumo e bens de produção (matérias-primas, materiais de construção, entre outros). Entram os preços de legumes, frutas, bebidas, fumo, remédios, embalagens, aluguel, condomínio, transportes, educação, leitura, recreação, vestuário e  despesas diversas, como: cartório, loteria, correio.

Aumento do índice IGP-M em 2020

Excepcionalmente em 2020 a taxa de variação do IGP-M teve o maior aumento desde 2003. O valor do índice disparou, principalmente, pela alta do dólar, mas também pelo aumento de preços de grandes commodities agrícolas e industriais, que sofreram com a desvalorização da moeda brasileira frente ao dólar. 

Produtos como minério de ferro, carne bovina e soja tiveram aumento significativo durante a pandemia. A retomada das atividades do mercado estrangeiro, após o isolamento, ampliou a demanda por esses produtos básicos. Tal demanda extra, somada à desvalorização do real, encareceu os custos de produtores brasileiros. 

Organize o seu planejamento financeiro

Como o aumento acontece de forma automática, o ideal é já deixar o orçamento anual preparado. Observe quando ocorre o vencimento do contrato e confira se o período coincide com alguma outra despesa, como viagem de férias, períodos de matrícula e impostos. Em seguida, estabeleça como esse aumento vai se encaixar no orçamento. 

A MJ Imóveis é especializada no setor imobiliário há mais de 34 anos com locação, venda e administração de imóveis residenciais e comerciais. Entre em contato para agendar um horário com um de nossos corretores especializados em Moema e região: 5051-9563.

Comentários

  1. Estava realmente querendo entender esse reajuste super alto, obrigada!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS IMPACTOS DA PANDEMIA NO MERCADO IMOBILIÁRIO

Bem-vindo! Pensando em você, criamos este blog para que você possa acompanhar o mercado imobiliário nestes tempos de pandemia. Entendemos que somos detentores de informações importantes e que precisamos compartilhá-las com você. O primeiro conteúdo é um panorama geral sobre OS IMPACTOS DA PANDEMIA NO MERCADO IMOBILIÁRIO. Aproveite a leitura! Começaremos esta semana falando um pouco do cenário econômico X imobiliário antes e no início da pandemia. O setor de venda e locação de imóveis vinha desde 2019 em uma curva crescente   juntamente com a ascensão da economia brasileira. A liquidez das transações imobiliárias (quantidade de transações), assim como os preços de mercado subiam exponencialmente como há muito tempo não víamos. As pesquisas mostram que o mercado sofreu forte queda no mesmo momento em que a crise foi anunciada. Há uma diferença no impacto causado nos imóveis comerciais e residenciais. Imóveis comerciais estão sofrendo diretamente pela queda de v

MJ Imóveis 34 anos: legado, credibilidade e inovação no mercado imobiliário

Tempo de leitura: 3,5 minutos Transformar sonhos em realidade, desde 1986 este é o principal objetivo da MJ Imóveis, colaborar para que os clientes encontrem o lar que procuram.  Atuando há 34 anos em Moema a imobiliária, um negócio familiar, já realizou o sonho de milhares de pessoas. Por meio de muito trabalho, conhecimento e constante evolução, a empresa consolidou sua marca no bairro e atualmente é reconhecida pela habilidade em conciliar um atendimento personalizado ao know-how estratégico do mercado imobiliário, seja na compra e venda, locação ou administração de imóveis. Ao longo desses anos, além de se consolidar no setor, a imobiliária conseguiu criar uma relação de solidez e confiança com seus clientes – muitos deles parceiros desde o início do negócio.  Para a sócia-fundadora Maria José Malandrino o principal diferencial da MJ Imóveis é o relacionamento com o cliente. “Sempre prezamos pelas necessidades que nos trazem e auxiliamos no que for necessário. Queremos que a experi

A INFLUÊNCIA DO CORONA VÍRUS NO MERCADO IMOBILIÁRIO, 2ª ONDA

Com base em pesquisas do setor imobiliário, em informações do DataZap, elaboramos um post com informações fresquinhas. É uma 2ª onda que está trazendo respostas sobre o que o Corona Vírus mudou nas finanças pessoais, nas expectativas de gastos com moradia e nas novas demandas para os profissionais do mercado. É fundamental compartilhar com vocês que o cenário já melhorou desde o início da crise em nosso setor. O público aderiu e gostou das novas práticas tecnológicas, o que permitiu a retomada do fechamento de negócios. Em uma pesquisa feita pelo DataZap, 75% do público-alvo era da região Sudeste e dentre eles, 91% residentes da Capital, maioria mulheres entre 25 e 36 anos que demonstram alto interesse na locação de imóveis (53%), superando a iniciativa de compra (31%). O índice se mostra alto para ambos os casos, indicando boa taxa de segurança dos consumidores e uma inclinação a fecharem negócios. Um ponto importante a ressaltar é que 72% dos respondentes que demonstram