Pular para o conteúdo principal

O efeito do home office no mercado imobiliário

PX Fuel
Mudança na rotina, no comportamento, na convivência. Precauções e rigorosos processos de higiene com as mãos, alimentos e superfícies. Estes são apenas alguns exemplos do que atualmente é normal, dos novos procedimentos que adaptamos ao nosso cotidiano em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Além disso, as práticas profissionais também mudaram e muitas pessoas passaram a trabalhar em casa, o famoso home office. Não é uma novidade, mas diante das circunstâncias foi a alternativa que diversas empresas encontraram para não interromper as atividades e manter os colaboradores.
Com este novo cenário do mercado de trabalho, mais transformações aconteceram. Muitas pessoas modificaram cômodos e os transformaram em escritório e outras improvisaram como puderam, com planejamento de melhorias a longo prazo. Todos foram se adaptando ao modelo.
Muitas empresas já afirmaram que não pretendem voltar às atividades em breve e, tudo indica, que a realidade do home office está longe do fim. Com isso, é natural que as pessoas tenham planos para trabalhar com mais conforto, espaço e organização, o que leva muitas delas a procurarem outros imóveis. Sejam apartamentos maiores ou casas, essa migração imobiliária está acontecendo e o setor já identifica os seus efeitos. “O isolamento social e a necessidade do trabalho remoto fez muitas pessoas perceberem que poderiam aproveitar melhor o ambiente com mais espaço, para trabalharem com mais comodidade. Passar mais tempo em casa pode incentivar o desejo de uma área mais aberta como varanda ou quintal”, afirma Cintia Malandrino gerente comercial da MJ Imóveis.
Trabalhar em casa possibilita diversas facilidades, uma delas se refere ao deslocamento. Em uma cidade como São Paulo não precisar se deslocar, de transporte público ou carro, significa economia de horas semanais, que influencia diretamente na qualidade de vida. “Neste sentido, percebemos que as prioridades oscilam bastante. Morar próximo ao local de trabalho pode não ser mais a principal preocupação, todos estão pensando no bem-estar e nas facilidades do comércio local, do que está perto. Este é um ponto favorável para quem mora em Moema, já que o bairro oferece uma vasta gama de serviços”, diz Cintia.
Outra mudança de comportamento que já está acontecendo é em relação aos imóveis comerciais. As empresas estão reavaliando seus espaços e considerando readaptações definitivas. A necessidade de imóveis grandes ou salas comerciais amplas pode mudar consideravelmente em alguns setores e, consequentemente, o valor cobrado por eles.
O cenário geral do pós-isolamento ainda é incerto, sob muitos aspectos, mas certamente o mercado imobiliário estará sempre atento às mudanças, a fim de continuar crescendo e gerando negócios. Tendo em vista que este é um segmento de grande relevância para a economia do país e que não pode parar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS IMPACTOS DA PANDEMIA NO MERCADO IMOBILIÁRIO

Bem-vindo! Pensando em você, criamos este blog para que você possa acompanhar o mercado imobiliário nestes tempos de pandemia. Entendemos que somos detentores de informações importantes e que precisamos compartilhá-las com você. O primeiro conteúdo é um panorama geral sobre OS IMPACTOS DA PANDEMIA NO MERCADO IMOBILIÁRIO. Aproveite a leitura! Começaremos esta semana falando um pouco do cenário econômico X imobiliário antes e no início da pandemia. O setor de venda e locação de imóveis vinha desde 2019 em uma curva crescente   juntamente com a ascensão da economia brasileira. A liquidez das transações imobiliárias (quantidade de transações), assim como os preços de mercado subiam exponencialmente como há muito tempo não víamos. As pesquisas mostram que o mercado sofreu forte queda no mesmo momento em que a crise foi anunciada. Há uma diferença no impacto causado nos imóveis comerciais e residenciais. Imóveis comerciais estão sofrendo diretamente pela queda de v

MJ Imóveis 34 anos: legado, credibilidade e inovação no mercado imobiliário

Tempo de leitura: 3,5 minutos Transformar sonhos em realidade, desde 1986 este é o principal objetivo da MJ Imóveis, colaborar para que os clientes encontrem o lar que procuram.  Atuando há 34 anos em Moema a imobiliária, um negócio familiar, já realizou o sonho de milhares de pessoas. Por meio de muito trabalho, conhecimento e constante evolução, a empresa consolidou sua marca no bairro e atualmente é reconhecida pela habilidade em conciliar um atendimento personalizado ao know-how estratégico do mercado imobiliário, seja na compra e venda, locação ou administração de imóveis. Ao longo desses anos, além de se consolidar no setor, a imobiliária conseguiu criar uma relação de solidez e confiança com seus clientes – muitos deles parceiros desde o início do negócio.  Para a sócia-fundadora Maria José Malandrino o principal diferencial da MJ Imóveis é o relacionamento com o cliente. “Sempre prezamos pelas necessidades que nos trazem e auxiliamos no que for necessário. Queremos que a experi

A INFLUÊNCIA DO CORONA VÍRUS NO MERCADO IMOBILIÁRIO, 2ª ONDA

Com base em pesquisas do setor imobiliário, em informações do DataZap, elaboramos um post com informações fresquinhas. É uma 2ª onda que está trazendo respostas sobre o que o Corona Vírus mudou nas finanças pessoais, nas expectativas de gastos com moradia e nas novas demandas para os profissionais do mercado. É fundamental compartilhar com vocês que o cenário já melhorou desde o início da crise em nosso setor. O público aderiu e gostou das novas práticas tecnológicas, o que permitiu a retomada do fechamento de negócios. Em uma pesquisa feita pelo DataZap, 75% do público-alvo era da região Sudeste e dentre eles, 91% residentes da Capital, maioria mulheres entre 25 e 36 anos que demonstram alto interesse na locação de imóveis (53%), superando a iniciativa de compra (31%). O índice se mostra alto para ambos os casos, indicando boa taxa de segurança dos consumidores e uma inclinação a fecharem negócios. Um ponto importante a ressaltar é que 72% dos respondentes que demonstram