Pular para o conteúdo principal

Como a cromoterapia na decoração ajuda sua saúde

Fonte: Pexel
As cores são elementos fundamentais na decoração da casa. Seja no quarto, na sala, na cozinha ou banheiro é natural que as pessoas busquem algum espaço para colorir e deixar o ambiente mais harmonioso. Muitas delas recorrem à cromoterapia, a pseudociência que utiliza as cores do arco-íris e suas variações no tratamento de doenças e para a melhoria da saúde física e mental, a fim de estimular por meio das cores diversas sensações benéficas. 
De acordo com a cromoterapia cada tonalidade nos proporciona sentimentos diferentes que podem influenciar diretamente nosso cotidiano e contribuir para o  bem estar físico e emocional, seja pela cor dos itens de decoração, utensílios ou a pintura na parede.
Uma pesquisa encomendada pela AkzoNobel, detentora da marca Coral, mostra que 73% dos entrevistados brasileiros concorda que fazer pequenas mudanças nas cores ao redor tem impacto positivo em nossas vidas e o tom do cômodo principal da casa pode deixá-lo mais acolhedor. 
De acordo com uma análise sobre cromoterapia e sua evolução científica, pesquisadores do departamento de física da Universidade Balochistan, no Paquistão, afirmam que a cor como medicina é tão antiga quanto qualquer outra técnica, a luz do sol e as cores já eram utilizadas para cura desde o antigo Egito. Segundo eles, a cor tem sido investigada como medicina desde o ano 2000 antes de Cristo. 
Em um período de reclusão, como este de pandemia, e home office, quando muitas pessoas estão o dia todo em casa trabalhando, ter cores que contribuam para ambientes mais calmos e de plenitude faz toda a diferença.
Mas antes de sair por aí, querendo colorir a sua casa, saiba o significado das cores:

Azul
Simboliza confiança, responsabilidade, inteligência, sabedoria e fé. De acordo com a fisiologia, tem efeito calmante e suprime o apetite. Recomendada para ambientes profissionais e salas de reunião, já que colabora com a comunicação e a fala. 

Amarelo
Uma cor que requer atenção e cuidado, pois quando usada em excesso pode ter efeito perturbador e provocar estresse, nervosismo e ansiedade. É a cor da recreação, felicidade, energia, prosperidade e riqueza. Fisiologicamente estimula o raciocínio lógico e pode colaborar na tomada de decisão. 

Fonte: pixbay

Violeta
Fisiologicamente traz tranquilidade e relaxamento para o sistema nervoso, acalma o coração, purifica o sangue e faz a regulação hormonal. Em escritórios e salas de estudos estimula o lado intuitivo.

Verde
Cor da fertilidade, esperança, o verde é a cor mais tranquila e sedativa de todas e tem grande poder de cura. Tem forte correspondência emocional com estabilidade, equilíbrio, harmonia.

Laranja
Fisiologicamente, aumenta o suprimento de oxigênio para o cérebro, estimula a atividade mental e estimula o apetite.

Branco
Associado à pureza, luz, sabedoria, paz, higiene, limpeza. Fisiologicamente, o branco transmite calma, simplicidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS IMPACTOS DA PANDEMIA NO MERCADO IMOBILIÁRIO

Bem-vindo! Pensando em você, criamos este blog para que você possa acompanhar o mercado imobiliário nestes tempos de pandemia. Entendemos que somos detentores de informações importantes e que precisamos compartilhá-las com você. O primeiro conteúdo é um panorama geral sobre OS IMPACTOS DA PANDEMIA NO MERCADO IMOBILIÁRIO. Aproveite a leitura! Começaremos esta semana falando um pouco do cenário econômico X imobiliário antes e no início da pandemia. O setor de venda e locação de imóveis vinha desde 2019 em uma curva crescente   juntamente com a ascensão da economia brasileira. A liquidez das transações imobiliárias (quantidade de transações), assim como os preços de mercado subiam exponencialmente como há muito tempo não víamos. As pesquisas mostram que o mercado sofreu forte queda no mesmo momento em que a crise foi anunciada. Há uma diferença no impacto causado nos imóveis comerciais e residenciais. Imóveis comerciais estão sofrendo diretamente pela queda de v

MJ Imóveis 34 anos: legado, credibilidade e inovação no mercado imobiliário

Tempo de leitura: 3,5 minutos Transformar sonhos em realidade, desde 1986 este é o principal objetivo da MJ Imóveis, colaborar para que os clientes encontrem o lar que procuram.  Atuando há 34 anos em Moema a imobiliária, um negócio familiar, já realizou o sonho de milhares de pessoas. Por meio de muito trabalho, conhecimento e constante evolução, a empresa consolidou sua marca no bairro e atualmente é reconhecida pela habilidade em conciliar um atendimento personalizado ao know-how estratégico do mercado imobiliário, seja na compra e venda, locação ou administração de imóveis. Ao longo desses anos, além de se consolidar no setor, a imobiliária conseguiu criar uma relação de solidez e confiança com seus clientes – muitos deles parceiros desde o início do negócio.  Para a sócia-fundadora Maria José Malandrino o principal diferencial da MJ Imóveis é o relacionamento com o cliente. “Sempre prezamos pelas necessidades que nos trazem e auxiliamos no que for necessário. Queremos que a experi

A INFLUÊNCIA DO CORONA VÍRUS NO MERCADO IMOBILIÁRIO, 2ª ONDA

Com base em pesquisas do setor imobiliário, em informações do DataZap, elaboramos um post com informações fresquinhas. É uma 2ª onda que está trazendo respostas sobre o que o Corona Vírus mudou nas finanças pessoais, nas expectativas de gastos com moradia e nas novas demandas para os profissionais do mercado. É fundamental compartilhar com vocês que o cenário já melhorou desde o início da crise em nosso setor. O público aderiu e gostou das novas práticas tecnológicas, o que permitiu a retomada do fechamento de negócios. Em uma pesquisa feita pelo DataZap, 75% do público-alvo era da região Sudeste e dentre eles, 91% residentes da Capital, maioria mulheres entre 25 e 36 anos que demonstram alto interesse na locação de imóveis (53%), superando a iniciativa de compra (31%). O índice se mostra alto para ambos os casos, indicando boa taxa de segurança dos consumidores e uma inclinação a fecharem negócios. Um ponto importante a ressaltar é que 72% dos respondentes que demonstram