Pular para o conteúdo principal

INVESTIMENTOS EM IMÓVEIS, COMO FICAM?



Vamos supor que você estava pensando em investir em imóveis logo antes da pandemia. O que fazer agora? As pesquisas do Grupo Zap mostram que o consumidor estará mais retraído durante e depois da crise (curto prazo) por alguns motivos, como a dificuldade em agendamento de visitas aos imóveis. Falando especificamente em imóveis residenciais, muitos deles estão à venda no mercado, mesmo estando atualmente ocupados por locatários. O isolamento social dificulta a visita de corretores e interessados pois os moradores dos imóveis em questão têm o direito de não os receber para mostrar a casa ou apartamento e pelo fato de condomínios estarem bloqueando o acesso de visitantes aos prédios. Existe mais uma implicação: Se o imóvel for comercializado, quanto tempo o morador terá para sair? Na praxe de mercado, o locatário tem 30 dias para a desocupação (desde que esteja com contrato vencido). Porém, esta família também terá dificuldade em achar um novo lar para morar, se for o caso. Estamos falando de imóveis para investimento, neste caso o locatário não necessariamente precisa desocupá-lo, mas existe uma insegurança em relação aos novos valores que o comprador irá praticar após a posse dele, então a possibilidade de desocupação do imóvel precisa ser considerada.
Esta questão levantada irá retardar os processos de compra e venda. Porém, a pergunta é: investir em comercial ou residencial? Ora, se tratando de uma crise que envolve isolamento social e queda no consumo, os imóveis comerciais possuem um risco muito maior que os residenciais.
Entende-se que o novo consumidor do ano de 2020 tem um perfil moderno que engloba a não aquisição de propriedades, o fácil deslocamento e a qualidade de vida morando perto de onde trabalha. Todos estes aspectos traçam um perfil de consumidor que não quer se comprometer a longa data. Ele quer ter a possibilidade de morar no Brasil ou no exterior sem se preocupar com seus bens. Ele também não quer ter carro pois ele anda de patinete ou com carros de aplicativo, diminuindo seus gastos e posses. Desta forma, vemos o aluguel crescendo a cada dia. A demanda é muito alta, o que nos faz concluir que o investimento em imóveis residenciais atualmente é a melhor opção.
Não podemos deixar de lado o fato de que a renda e o poder aquisitivo da população em um patamar mundial sofrerão queda conforme falamos no nosso post da semana passada. Este fato pode implicar diretamente no valor dos aluguéis residenciais também, porém em um espectro muito menor.
Falando em cenário global, a moradia sempre será necessária, o que implica em um reflexo econômico da crise menor nos imóveis residenciais do que nos imóveis comerciais.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS IMPACTOS DA PANDEMIA NO MERCADO IMOBILIÁRIO

Bem-vindo! Pensando em você, criamos este blog para que você possa acompanhar o mercado imobiliário nestes tempos de pandemia.
Entendemos que somos detentores de informações importantes e que precisamos compartilhá-las com você.
O primeiro conteúdo é um panorama geral sobre OS IMPACTOS DA PANDEMIA NO MERCADO IMOBILIÁRIO. Aproveite a leitura!

Começaremos esta semana falando um pouco do cenário econômico X imobiliário antes e no início da pandemia. O setor de venda e locação de imóveis vinha desde 2019 em uma curva crescentejuntamente com a ascensão da economia brasileira. A liquidez das transações imobiliárias (quantidade de transações), assim como os preços de mercado subiam exponencialmente como há muito tempo não víamos. As pesquisas mostram que o mercado sofreu forte queda no mesmo momento em que a crise foi anunciada. Há uma diferença no impacto causado nos imóveis comerciais e residenciais. Imóveis comerciais estão sofrendo diretamente pela queda de volume de vendas por causa d…

A INFLUÊNCIA DO CORONA VÍRUS NO MERCADO IMOBILIÁRIO, 2ª ONDA

Com base em pesquisas do setor imobiliário, em informações do DataZap, elaboramos um post com informações fresquinhas. É uma 2ª onda que está trazendo respostas sobre o que o Corona Vírus mudou nas finanças pessoais, nas expectativas de gastos com moradia e nas novas demandas para os profissionais do mercado.
É fundamental compartilhar com vocês que o cenário já melhorou desde o início da crise em nosso setor. O público aderiu e gostou das novas práticas tecnológicas, o que permitiu a retomada do fechamento de negócios.
Em uma pesquisa feita pelo DataZap, 75% do público-alvo era da região Sudeste e dentre eles, 91% residentes da Capital, maioria mulheres entre 25 e 36 anos que demonstram alto interesse na locação de imóveis (53%), superando a iniciativa de compra (31%). O índice se mostra alto para ambos os casos, indicando boa taxa de segurança dos consumidores e uma inclinação a fecharem negócios.
Um ponto importante a ressaltar é que 72% dos respondentes que demonstram interesse n…

QUEM SERÁ O POSSÍVEL CONSUMIDOR PÓS-CRISE?

Antes de traçar o novo perfil do consumidor 2020 pós-crise, vamos fazer um panorama do consumidor 2020 pré-crise. Todos os caminhos guiavam as gerações Y e Z para a praticidade e mobilidade. A evolução de serviços de recorrência (clubes por assinatura) como Spotfy e Netflix foi rápida. Avanços tecnológicos mudaram os hábitos de consumo e com isso os serviços pagos por mensalidade se tornaram mais frequentes, gerando a economia da recorrência. Os serviços de recorrência mudaram a forma com que as pessoas se relacionam com as compras. Quer dizer que: você não precisa mais adquirir um produto, apenas paga para ter acesso recorrente, por tempo determinado. É fácil relacionar este tipo de serviço ao aluguel de imóveis. Pensando ainda no consumidor 2020 pré-crise, a opção de locação de imóveis ao invés da compra, se tornou a escolha perfeita. Estamos falando de um consumidor que quer agilidade nos processos e negociações, conforme contamos no primeiro post do Blog (Os Impactos Da Pandemia…