Pular para o conteúdo principal

Entenda como a Selic afeta o mercado imobiliário



Responsável por movimentar o setor econômico, a taxa Selic tem posição de destaque no mercado financeiro. Em alta ou em baixa, é comum vermos referências a ela no dia a dia, pois a Selic influencia, direta ou indiretamente, muitos setores da economia. 

Um deles é o mercado imobiliário, mesmo sendo um setor de constante estabilidade, invariavelmente ele é afetado pela taxa que é a principal responsável pelos juros compostos no Brasil.

No texto de hoje você vai saber mais sobre a Selic e como ela afeta o mercado de imóveis.

O que é Taxa Selic?

De forma simplificada, a Selic é a taxa básica de juros, um índice pelo qual todas as taxas cobradas pelos bancos no Brasil se balizam. A taxa é utilizada nos empréstimos feitos entre os bancos e também nas aplicações realizadas por eles em títulos públicos federais.

Como ela é determinada?

A Selic é estabelecida pelo Comitê de Política Monetária (Copom), que se reúne dois dias seguidos, num total de 8 encontros anuais para definir a taxa de juros com base no contexto atual e nas expectativas futuras sobre a economia brasileira.  

Frequentemente o aumento da taxa básica de juros é a alternativa do Copom para frear a inflação.

Com o aumento dos juros, as pessoas físicas tendem a comprar menos e as pessoas jurídicas também tendem a tomar menos empréstimos e a investir menos. O resultado disso é uma atividade econômica menor, o que por sua vez pode diminuir a pressão inflacionária.

Por outro lado, a redução da Selic é utilizada para aquecer a economia. Afinal, reduz-se os juros sobre os empréstimos bem como os rendimentos pagos pelas aplicações financeiras. Com isso, é estimulado o consumo das famílias e o investimento das empresas na produção.

Como a taxa Selic pode impactar o mercado imobiliário?

Quando a Selic aumenta, o custo para oferecer crédito também sobe. Quanto maior o preço ofertado, menor o volume vendido, ou seja: um aumento da taxa Selic diminui o volume de crédito concedido, desacelerando ou até diminuindo a atividade econômica.

A taxa afeta o mercado imobiliário diretamente por meio dos juros de financiamentos imobiliários. Isso ocorre porque, normalmente, a maioria das pessoas que desejam comprar um imóvel recorrem a algum tipo de financiamento.

Por ser uma operação bancária de crédito, um aumento da Selic pressiona as taxas de juros de financiamentos imobiliários a também aumentarem. Crédito mais caro, menos concessão – o que freia o mercado imobiliário residencial de compra e venda.

Em resumo, é possível entender de duas formas como acontece: 

Quando a Selic aumenta, as taxas de financiamentos aumentam e ocorre a queda no número de transações de compra e venda realizadas.

Quando a Selic diminui, as taxas de financiamentos diminuem e ocorre o crescimento no número de transações de compra e venda realizadas .

Eventualmente pode acontecer da taxa subir e as operações bancárias de crédito não seguirem o aumento. Isso ocorre porque, apesar da taxa Selic ser um custo comum ao crédito bancário, cada operação tem suas peculiaridades. No caso de financiamentos imobiliários, a operação conta com uma série de particularidades, devido à importância do mercado imobiliário dentro da economia e da sociedade. Por isso, nem sempre os aumentos ou as baixas estão diretamente relacionados, de imediato.

Levando em conta o histórico de juros no país, o recente percentual de 11,75% não é tão incomum, (em julho de 2015 chegou a atingir 14,25%). Com esse patamar de juros, o rendimento dos imóveis ainda continua superior às aplicações financeiras. Além disso, em um passado não tão distante, o mercado imobiliário avançava mesmo com uma taxa de juros muito superior a essa.

Por isso, apesar dos juros altos e dos recorrentes aumentos da inflação, o mercado imobiliário ainda se mantém estável e rentável. Por ser bem estruturado, ele consegue se manter equilibrado por um período mais longo,  até em situações de vulnerabilidade econômica. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Locador e locatário acertando as contas com o leão

O Imposto de Renda sobre aluguel é um tema que costuma gerar dúvidas e até erros na hora da declaração. É preciso ter muita atenção, pois a informação errada ou faltante pode causar sérios problemas, levando o contribuinte a cair na malha fina. Os aluguéis devem ser obrigatoriamente informados na Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (DIRPF) de ajuste anual com base no valor dos aluguéis recebidos, que são refletidos nos informes de rendimentos fornecidos pela imobiliária no contrato de locação. O locador que  recebeu aluguel mensal no limite da isenção do Imposto de Renda também deve declarar. Isso é necessário porque esses valores serão contabilizados na renda total para calcular o valor de uma possível restituição. O pagamento do tributo é de responsabilidade do locador, quando o locatário for pessoa física. É importante que você esteja atento. Já que este ano a regra do Imposto de Renda estabelece que apenas o valor líquido do aluguel será tributado. Despesas como IPTU (Impo

Maior loja da LEGO na América Latina é inaugurada em Moema

  O bairro de Moema foi o escolhido pelo Grupo Mcassab, da LEGO, para dar sequência ao acelerado plano de expansão das lojas LEGO no Brasil. É nele que foi inaugurada recentemente a maior loja da marca da América Latina, que por sua vez também é a primeira unidade de rua autorizada no Brasil. A loja conta mix de itens exclusivos, a famosa modalidade para compra de peças avulsas escolhendo entre dois tamanhos de copos para encher e a opção de montagem de kit personalizado de Minifiguras onde os consumidores poderão escolher as cabeças, cabelos corpos e montar com os acessórios de sua preferência. “Nós estamos muito felizes em inaugurar a 13ª loja LEGO no Brasil, deixando a marca ainda mais perto do consumidor e desta vez com um formato inédito, a primeira loja LEGO de rua no Brasil, e por se tratar da maior da América Latina, o projeto demandou o mais alto nível de planejamento e execução. Cada detalhe foi calculado e implementado para oferecer a excelência e a mesma experiência encon

05 dicas de decoração com tendências para todos os estilos

A pandemia mudou a rotina e a vida de muita gente. Os lares desempenharam um papel fundamental de refúgio, aconchego e fortaleza. Mas passar muito tempo dentro de casa também foi uma oportunidade para perceber o que dava para melhorar, como reorganizar os cômodos ou como mudar tudo de lugar, de cor... Seja para fazer uma reforma ou mudança, diversas pessoas optaram por novos ares. E neste ano, essa busca por um novo olhar para a casa continua. A decoração e a composição dos ambientes, tudo leva para uma tendência de decoração que permita um lar mais aconchegante e funcional. Saiba o que é tendência e como o seu lar pode ganhar uma cara nova, de acordo com o seu estilo. Ambientes integrados Eles não são novidade, mas compõem uma tendência que ganha mais adeptos a cada ano. Garantindo mais funcionalidade e dinamismo para o seu lar. A grande vantagem de casas ou apartamentos com ambientes integrados está na melhor circulação pelos espaços, quebrando as barreiras visuais e passando a